ASPECTOS DA SALVAÇÃO EM CRISTO

Aspectos da Salvação em Cristo

A Salvação é efetuada logo após a aceitação de Jesus Cristo como seu único Salvador e, a partir daí, dá-se início a um processo que se divide em ordem progressiva. Essa ordem se desenrola da seguinte maneira, primeiro ocorre a Justificação, segundo ocorre a regeneração, e por fim, a Santificação;


            1. Justificação. Justificar é um termo judicial que significa absolver, declarar justo, ou seja, estar justificado. O réu, ao invés de receber sentença condenatória, recebe a sentença de absolvição. Esta absolvição no ambiente bíblico é o dom gratuito de Deus, colocado à nossa disposição pela fé. Essa doutrina assim se define: “Justificação” é um ato da livre graça de Deus pelo qual ele perdoa todo o nosso pecado e nos aceita como justos aos seus olhos somente por nos ser imputada a justiça de Cristo, que se recebe pela Fé.

Justificação é mais que perdão dos pecados é a remoção da condenação. Deus apaga os pecados, e, em seguida, nos trata como se nunca tivéssemos cometido um só pecado.

Portanto, Justificação é o Ato de Deus tornar justo o pecador (Rm 3.24,30), “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus…”.

Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, sem as obras da lei Mosaica. 

1.1. Crendo em Cristo –  A justificação é realizada no homem quando este passa a crer no Senhor Jesus Cristo como Salvador. Logo que ele crê em Jesus, Deus o declara livre da condenação. Em Rm 4.6 Paulo nos diz: “Bem-aventurado o homem a quem Deus imputa justiça sem as obras…” Imputar é atribuir a alguém a responsabilidade pelos atos de outro. Isto é, Jesus Cristo assumiu nossos pecados, Deus permitiu que Jesus pagasse nosso débito.

1.2. Cristo Nossa Substituição – “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo ele próprio maldição em nosso lugar…” (Gl. 3.13). Como nosso substituto, Cristo Jesus ganhou esta justiça para nós, morrendo em nosso lugar a fim de nos salvar e garantir o perdão dos nossos pecados. Somos agora aceitos por Deus, porque nos foi creditada a perfeita Justiça de Cristo.

1.3. Justiça de Cristo, “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, justiça, e santificação, e redenção” (I Co. 1.30). Esta justiça foi adquirida pela morte expiatória de Cristo. Sua morte foi ato perfeito de justiça, porque satisfez a lei de Deus. Foi também um ato perfeito de obediência. Tudo isto foi feito por nós e posto a nosso crédito.

            2. Regeneração. Regenerar significa: restaurar o que está destruído, reabilitar, corrigir. Quando se trata do ser humano, regeneração é umas das mudanças radicais operadas pelo Espírito Santo na alma do homem. Esta regeneração atinge, portanto, todas as faculdades do homem, ou seja: Intelecto, Volição e Sensibilidade. O homem regenerado não faz tanta questão de satisfazer à sua própria vontade como faz de satisfazer à de Deus.

Na Regeneração, ele passa a pensar de modo diferente, sentir de modo diferente e querer de modo diferente: tudo se transforma. Em II Co. 5.17 Paulo nos fala: “Portanto, se alguém está em Cristo, Nova Criatura é; as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo”, ou seja, a pessoa passa a ter atitudes diferentes daquelas que tinha na prática do pecado.

2.1. O novo nascimento, descrito por Jesus no Evangelho de João 3.3, nos afirma que “Jesus respondeu, e disse: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus”. Uma pessoa, para pertencer à aliança feita a Israel e gozar de todos os seus direitos, precisava somente nascer de pais judaicos. Para pertencer ao reino do Messias, contudo, uma pessoa precisa nascer de novo e ter um novo coração, “Dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro em vós um espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra, e vos darei um coração de carne” (Ez. 36.26).

2.2. Vivificação – A essência da regeneração é uma nova vida concedida por Deus, mediante Jesus Cristo e pela operação do Espírito Santo. “Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância (Jo.10.10). Vivificação É o ato, a ação ou o efeito de viver. É usufruir da vida espiritual que Deus concedeu através de Cristo.

2.3. Purificação – Ato ou efeito de purificar: “Não por obras de justiça que houvéssemos feitos, mas segundo a sua misericórdia, ele nos salvou mediante a lavagem da regeneração e renovação pelo Espírito Santo” (Tt 3.5). A alma foi lavada completamente das imundícias da vida de outrora, das manchas do pecado, e temos a garantia da purificação de nossos pecados através do sangue de Cristo: “… o sangue de Jesus nos purifica de todo pecado” (I Jo 1.7).

              3. Santificação. Santificar é o ato de separar, consagrar, fazer santo. A Palavra santo tem muitos significados, entre eles temos: aquilo que representa o que está separado de tudo quanto seja terreno e humano. “Aparte-se do mal, e faça o bem; busque a paz, e siga-a” (I Pe 3.11).

Meios divinos de santificação:

  •       O Sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo o pecado” (I Jo 1.7).          Proporciona a santificação absoluta diante de Deus.
  •       O Espírito Santo, “Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou boa obra a aperfeiçoará até o dia de Jesus Cristo” (Fl 1.6). Nesse caso a mudança é interna, o Espírito santo atua transformando a vida da pessoa.
  •       A Palavra de Deus, Jo. 17.17  “Santifica-os na verdade a tua palavra é a verdade”. Atua na prática e no comportamento do cristão.

O que o Espírito Santo santifica no crente? “O mesmo Deus de Paz vos santifique completamente. E todo o vosso espírito, alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (I Ts 5.23). A Bíblia nos informa que o Espírito Santo atua em todas as áreas de nossa vida, senão vejamos:

O Corpo – “…que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” (Rm 12.1).

A Alma – “Tendo purificado as vossas almas” (I Pe 1.22).

Espírito – “… E todo o vosso espírito … “ (I Ts 5.23). 

Deus, em seu plano de salvação, manifestou a sua glória através de Cristo Jesus. O pecador pode experimentar esta manifestação pelo Espírito Santo. O ato final do processo da salvação será a glorificação do crente por Deus. A Glória de Deus em nós. Em todo o tempo a glória de Deus demonstra poder, autoridade, virtude e, acima de tudo, consagração. É manifestada através da fé. Foi nos dada através de Jesus e serve para manter a unidade da Igreja. Jo 17:24 “Pai, quero que onde eu estiver, estejam também comigo aqueles que me este, para que vejam a minha glória, a glória que me deste, porque me amaste antes da criação do mundo”.

3.1. Dedicação representa o que está dedicado a Deus, no sentido de ser sua propriedade. “Portanto, rogo-vos, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional” ( Rm. 12.1). Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a impureza tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santificação no temor de Deus e tendo uma vida dedicada a Deus.

3.2. Consagração – Tem o sentido de viver uma vida santa e justa. “Eu sou o Senhor vosso Deus; consagrai-vos, e sede santos, porque eu sou santo” ( Lv. 11.44). Muito acentuada se acha no Antigo Testamento a idéia de que a santificação consta de uma relação especial com Deus. As coisas consagradas ao Senhor eram consideradas santas: Arca do Concerto, O Templo, O Tabernáculo, O Altar, Os Vasos, Os Sacerdotes. No Novo Testamento, a idéia é a de que a santificação consiste no processo do homem ser perfeito como Ele é perfeito. Jesus ensinou que o homem deve procurar aperfeiçoar-se cada vez mais. “Bem-aventurado os limpos de coração, porque eles verão a Deus” (Mt). Diante do exposto, podemos estabelecer o seguinte: santificação é, portanto, um estado, quando se aceita Jesus e também é um processo, por precisarmos nos santificar até o fim de nossa vida ou até o arrebatamento da igreja.

              O crente precisa esforçar-se para progredir no processo da santificação. “Ora, amados, visto que temos tais promessas, purifiquemo-nos de toda a impureza tanto da carne, como do espírito, aperfeiçoando a nossa santificação no temor de Deus”. O processo de santificação pode ser comparado ao crescimento de uma pessoa, porém condicionado à sua vontade.

Pr. Sérgio Leite

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Batismo, Eucaristia e ministério. Tradução Aj. Dimas Almeid. 3 ed. Brasília. Conic. Rio de janeiro. Koinonia. São Paulo. Aste, 2001.

BASQUES, Jerônimo. Dízimo, a experiência que faltava em sua vida. 8 ed. São Paulo. Paulus, 1995.

IETEB, Instituto Educacional e Teológico Ebenézer. Ética Cristã. 3 ed. São Paulo. Gráfica Sinai, 2006.

____________ Heresiologia. 3. ed. São Paulo. Gráfica Sinai, 2006.

____________ Introdução Bíblica. 4. ed. São Paulo. Gráfica Sinai, 2007.

____________ Introdução Missiologiaca. 3. ed. São Paulo. Gráfica Sinai, 2007.

____________ Teologia Sistemática. 4. ed. São Paulo. Gráfica Sinai, 2007.

MILLARD. J. ERICSON. Introdução a Teologia Sistemática. 5 impressão. São Paulo. Vida Nova.

PEARLMAN, Myer. Conhecendo as doutrinas da Bíblia. 27ª impressão. São Paulo. Vida, 1999.

RODGE, CHARLES. Teologia Sistemática. 2 impressão. São Paulo. Hagnos

RYRIE, CHARLES CALDWELL. Teologia Básica. Tradução Jarbas Aragão. São Paulo. Mundo Cristão, 2004.

SHEDD, RUSSEL. Adoração Bíblica. 5 reimpressão. São Paulo. Vida, 2003.

TOGNINI, ENEAS. Eclesiologia. 2 ed. SP. Imprensa da fé, 1987.

Fale Conosco

Nos envie uma mensagem, e retornaremos em breve!

Not readable? Change text.